Litteraria

As horas vagas mais improváveis

Fanzine Libélula – Parte 2

Dando continuação ao artigo Fanzine Libélula – Parte 1, logo depois da primeira edição do Libélula começamos a reunir material e pensar na segunda edição do fanzine. E outro dos meus amigos de escola decidiu se juntar a nós nessa edição. Percebemos que o Libélula não seria um “simples” fanzine de poesia assim que o Ednei e o Robson nos mostraram qual seria o manifesto que publicaríamos na segunda edição…

Foi a partir da segunda edição que o Libélula se tornou um fanzine temático. Decidimos que a cada edição abordaríamos um tema, e coincidentemente cada um já tinha um poema escrito com o tema da segunda edição. E o tema do segundo não podia ser mais polêmico!

Até hoje o Libélula nº2 é considerado, por nós, a “cereja do bolo”, ficou muito lindo, rs… Ele também saiu em listas de fanzines, e também circulou Brasil afora.

Depois dele, demorou um pouco para pensarmos em fazer o terceiro, por conta de alguns problemas que chegam junto com a vida adulta e as responsabilidades intrínsecas a essa fase da vida. Mas desistir? Ainda não…

(continua)

Elise

2 comentários em “Fanzine Libélula – Parte 2

  1. Uau, Elise!!!

    A história do Libélula é mesmo ótima! Adorei ler as "poesias malcriadas" que vocês escreveram nessa edição. E pensar que tudo isso aconteceu no início de 2003. Ou seja: mais de 9 longos anos se passaram desde então.

    Leitura fantástica! Muito interessante ver o contraste entre as visões de homens e mulheres sobre o sexo.

    Mal posso esperar pelo próximo artigo da série!

    Um abraço e obrigado por compartilhar!

  2. Olá, Adelson!
    A história do Libélula se confunde com o final da minha adolescência, rs… Sim, passaram-se alguns anos desde o lançamento dos nºs 1 e 2, éramos muito jovens ainda, e mais corajosos… hihihi
    Logo mais tem continuação nos posts, ok?
    Um abraço!

Deixe uma resposta para Elise Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo